Fanfic Série Fallen

fallen3_1680x1050Daniel não é um anjo. Como eu pude ser enganada? – Pensava Luce. – Daniel é Lúcifer, foi ele que me mandou para a terra para destruir todo o amor que eu sentia por Cam. E ele quase conseguiu, ele me fez arremessar uma estaca contra o coração de Cam para que este desaparecesse de uma vez da face da terra, não consigo acreditar que pude ser tão estúpida. Ele me queria para ele, mas não porque me amava, ele queria ser o meu dono, queria que eu o adorasse, ele queria que eu precisasse dele mais do que qualquer coisa no mundo. Agora Cam  está desaparecido e eu tenho que procura-lo, achá-lo e trazê-lo de volta para mim. Estou com uma sensação terrível, sensação de que algo muito ruim tenha acontecido com ele, como se ele tivesse sofrendo muito. Acordo no meio da noite gritando e chorando, é como se Cam estivesse tentando se comunicar comigo, eu sei que ele precisa de ajuda, mas não sei por onde começar a procurá-lo. Saio correndo pelas ruas em direção a floresta, não sei o que estou tentando fazer, estou perdendo o controle do meu corpo. Chego no meio da floresta, encontro uma arvore e me sento aos seus pés, fico meia hora sozinha em total silêncio, até que ele aparece com aqueles seus olhos violetas me olhando, esse Daniel pode ser bonito por fora, mas é um monstro por dentro, a única coisa que consigo sentir por ele é desprezo.

Daniel se aproxima de Luce e diz: -Eu sei que você quer que eu lhe entregue o Cam, mas se eu te der algo, eu também tenho o direito de receber algo em troca, isso é justiça cara Luce. Eu não quero muito de você, só quero a sua alma. A sua alma é tudo o que sempre quis. Estou indo, você tem meia hora para pensar na minha proposta, e tem mais, você sabe onde me achar.

Fiquei em silêncio, não me atreveria a falar nada com aquele monstro. Ele virou as costas e se foi. Em pensar que já passei vários momentos com aquele demônio, até os pelos da minha alma se arrepiava ao pensar nisso. Estava sem chão, não sabia o que fazer, não podia perder Cam, ele era tudo para mim, era o cara mais perfeito e maravilhoso de todo mundo. Aqueles olhos verdes magnifico, eu não conseguiria viver sem aquilo. Eu tinha que tomar uma decisão, mesmo que custasse a minha vida, eu sabia que não conseguiria vencer aquele cão, e não poderia correr o risco de deixá-lo destruir o meu amor.

Como ele mandou eu fui atrás dele e o encontrei em uma linda montanha, mas terrível como ele. Ele estava lá com Cam, quando me viu ele já sabia a minha decisão, empurrou Cam para o lado e veio em direção a mim e me beijou. Cam me olhou sofrendo, mas não tinha nada que ele podia fazer a respeito, então mandei ele ir embora e disse que tinha escolhido Daniel “Lúcifer”, e ele assim fez, foi embora, e depois disso nunca mais o vi. Se tem algo que aprendi com Lúcifer, foi que não podemos ter tudo o que queremos,ele não me tenho e eu também não tenho o Cam comigo. Mas eu não desistir de encontrar o Cam e continuo o procurando, porque eu o amo.

 

Anúncios

Escolhas

ImagemPegue um quebra cabeça e tente encaixar, fica perfeito depois de encaixado, assim era nós dois. Era uma coisa que tínhamos em comum, a perfeição de um dependia do outro, eramos como a sombra e a arvore. Mas o que nos fazia tão próximos era a confiança, a confiança era tudo em nossa relação. Eu me preocupava mais com ele do que comigo mesma, não que fosse necessário me preocupar comigo, já que ele fazia isso por mim. Era tão intenso esse sentimento, sentíamos como se um pertencesse ao outro, isso estava ficando meio que possessivo, já que eramos apenas perfeitos amigos.

Sempre fomos muitos próximos, a primeira vez que nos vimos foi um pouco estranha, era como se já tivéssemos nos conhecido  em um época passada. Imagina só a reação de um ao ver  o outro. É tão estranho quando sentimos algo assim, é como se Deus tivesse utilizado a mesma massa para nos projetar. Mas o medo de perde-lo me fazia agir como uma idiota muitas vezes, não que eu não fosse uma idiota por completo.  

O egoísmo sempre foi um dos meus maiores caracteres, não que egoismo seja totalmente um defeito, mas também não qualificaria ele como uma qualidade, foi aí que eu tive uma ideia que poderia mudar tudo. Usar o poder da sedução para tê-lo por completo. Eu precisava daquilo? Não sei se precisava, mas era uma forma de garanti-lo em minha vida para sempre, não suportaria vê-lo com outra garota, repartir aquilo que é meu, nunca foi uma das minha qualidades.

É tão intenso entrar de cabeça em um  relacionamento, mesmo sabendo que não era aquilo que o destino havia reservado para nós, minha mãe dizia diariamente para mim, “amizade deve continuar sendo amizade minha filha, nada de começar aquilo que você não poderá terminar”. O relacionamento da gente começou lindo, intenso e maravilhoso, era perfeito estar com ele, mas algo mudara entre a gente. Sabe aquela confiança que existia? Então, foi desaparecendo aos poucos, eu não era capaz de compartilhar com ele todos os detalhes do meu dia, como acontecia antigamente, eu tinha medo de magoa-lo, tinha medo de que seu ciúme acabasse com tudo, chegou um momento em que comecei a sentir medo, medo de que eu não tivesse o meu amigo de volta, foi aí que tomei a decisão mais difícil e sensata que poderia se tomar, coloquei um ponto final em nosso relacionamento. 

Foi muito difícil para nós ficarmos longe um do outro, no passado nunca houve um dia em que ficamos sem nos ver, e agora isso estava me deixando louca, era muito difícil para mim, ele não conseguia entender que não poderíamos ter nada além de uma amizade. E o pior de tudo era que agora tinha um bebê envolvido em nossa história, fruto de um amor impossível, e eu estava escondendo isso dele. Logo que separamos descobri a existência da criança, esse foi um dos maiores motivos para que eu continuasse distante. 

Estava no quarto mês de gravidez quando a minha mãe descobriu, ela falou tanto na minha cabeça que fui obrigada a ir atrás do Steven e contar para ele que teríamos o bebê do ano, estava tão feliz por estar indo falar com ele, já não aguentava mais nenhum minuto longe dele, mas algo iria mudar a nossa vida para sempre. Foi um choque quando cheguei e me deparei com o seu corpo pendurado em uma corda, pensei que não iria resistir, pensei que nosso filho não aguentaria mais nenhum minuto, e desmaiei, quando acordei estava no leito de um hospital totalmente desolada, não conseguia conter as lagrimas. 

Quando consegui parar de chorar, a médica chegou e me entregou um envelope endereçado para mim que dizia: “Eu te amo e sempre te amarei, você foi a minha única amiga e o único amor da minha vida, onde estiver olharei por você, se cuida.” Lembra que eu falei que não conseguia conter as lagrimas? Então, agora não rolou nenhuma lagrima em meu rosto, neste momento me tranquei para o mundo, minha mãe fez de tudo para conversar comigo, me explicar que eu devia ficar bem pelo bebê, mas no momento o que eu mais precisava era ficar sozinha acompanhada de um diário, escrever era a minha única satisfação, já estava chegando o momento em que a minha família mais esperava, o momento do nascimento do bebê que eu nem sequer procurei sabe o sexo, que seja surpresa. 

Foi uma grande surpresa quando o bebê nasceu, era um menino lindo, a cara do Steve, a única coisa que poderia me deixar mais feliz foi o nascimento do Steve Junior. Minhas escolhas fizeram uma estória que era pra ser totalmente feliz se tornar parcialmente triste, e me trouxe várias perdas, o que eu quero fazer e lhe conscientizar a não se apaixonar por egoismo.  

Entendendo o amor através do ponto de vista das crianças

Sempre quis entender o amor, e nunca chegava a nenhuma conclusão sensata, mas aí veio as crianças, nos ajudando a compreender uma coisa que parece simples, mas simplesmente nos deixa totalmente sem chão,  e isso me encantou profundamente, uma emoção que creio que vale a pena repassar. Confiram e aprendam: Algo simples que complicamos muito.

Mathew, 6 anos: Amor é quando alguém te magoa, e você, mesmo muito magoado, não grita, porque sabe que isso fere seus sentimentos.

Rebecca, 8 anos: Quando minha avó pegou reumatismo ela não podia se debruçar pra pintar as unhas dos pés desde então é meu avô que pinta pra ela mesmo ele tendo artrite.

Karl, 5 anos: Amor é quando uma menina coloca perfume e o garoto põe loção de barba do pai e eles saem juntos e se cheiram.

Lauren, 4 anos: Eu sei que minha irmã mais velha me ama, porque ela me dá todas as suas roupas velhas e tem que sair para comprar outras.

Tommy, 6 anos: Amor é como uma velhinha e um velhinho que ainda são muito amigos, mesmo conhecendo-se há muito tempo.

Billy, 4 anos: Quando alguém te ama a forma de falar seu nome é diferente.

Chrissy, 6 anos: Amor, é quando você oferece suas batatinhas fritas sem esperar que a pessoa te ofereça as batatinhas dela.

Bobby, 5 anos: Amor é o que está com a gente no Natal, quando você para de abrir os presentes e os escuta.

Nikka, 6 anos: Se você quer aprender a amar melhor, você deve começar com um amigo que você não gosta.

Samantha, 7 anos: Amor é quando você fala pra alguém alguma coisa ruim sobre você e senti medo que essa pessoa não ame mais você por causa disso aí você descobre que ela continua te amando e até te ama mais ainda.

Jenny, 4 anos: Há dois tipos de amor, o nosso amor e o amor de Deus, mas o amor de Deus junta os dois.

Chris, 8 anos: Amor é quando mamãe vê o papai suado e mal cheiroso e ainda fala que ele é mais bonito que o Robert Redford.

Cindy, 8 anos: Durante minha apresentação de piano vi meu pai na plateia me acenando e sorrindo e era a única pessoa de quem eu não sentia medo.

Noelle, 7 anos: Amor é você falar pro menino que camisa linda você ta usando e daí ele passa a usar a camisa todo dia.

Jessica, 8 anos: Não deveríamos dizer eu te amo a não ser quando realmente o sintamos. E se sentimos, então deveríamos expressá-lo muitas vezes. As pessoas esquecem de dizê-lo.

Patty, 8 anos: Amor é se abraçar, amor é se beijar, amor é dizer não.

Mary Ann, 4 anos: Amor é quando seu cachorro lambe sua cara, mesmo depois que você deixa ele sozinho o dia inteiro.

Karen, 7 anos: Quando você tem amor por alguém seus olhos sobem e descem e pequenas estrelas saem de você.

Max, 5 anos: Deus poderia ter dito palavras mágicas pros pregos caírem do crucifixo mais ele não disse, isso é amor. “

A hora da escuridão

sombria

Foi muito assustador, eu estava em casa totalmente tranquilha conversando com a minha família e amigos no sofá da varanda, quando o Luck apareceu, eu fiquei chocada, não queria acreditar, não conseguia acreditar, aí ele lambeu minha mão, foi nessa hora que meu coração quase saiu pela boca, ver ali meu cachorro morto a quase  um ano, em pé extremamente magro lambendo  a minha mão. Era para ficar feliz né? Pois sofri muito com a morte dele, mas a única coisa que consegui sentir naquele momento, era medo, muito medo, não sabia do que se tratava, mas resolvi pesquisar.

Corri para a biblioteca da cidade com as minhas amigas em busca de descobrir o que estava acontecendo. Pesquisei o dia inteiro e não cheguei a nenhuma conclusão ou coisa parecida, foi quando desistir e decidi ir embora, mas algo extraordinário aconteceu nesse momento, a bibliotecária me entregou um livro grande que estava escondido e disse que era uma das relíquias da biblioteca, que era o livro mais antigo que ela possuía, quando abri o livro tive certeza de que tudo que eu precisasse encontraria ali, e foi dito e feito.

O livro falava sobre um dia em cada milênio em que os mortos levantavam de seus túmulos e tinham uma semana na terra  para fazer tudo o que quisessem, e também falavam da lenda de um cristal mágico que se encontrava perdido, que se fosse encontrado por um bruxo morto que conseguiu um monte de seguidores, ele conseguiria fazer uma mágica, onde todos os que morreram viveriam eternamente em terra. Mas muitos dos que morreram eram aterrorizadamente maus, por esse motivo devíamos proteger o cristal, eu fiquei meio em dúvida sobre isso, pensava comigo que eu não devia proteger tal magia, mas que eu devia entrega-lá ao bruxo para que eu tivesse a chance de ficar com vários entes querido meus que  já se foram, foi quando virei a página seguinte e li que estes mortos tinham perdido totalmente a humanidade, que a parte boa deles estava descansando no paraíso e só restava neste corpo humano a parte mau, sede de vingança.

Posso dizer sem sombra de dúvida que esta semana foi a semana mais sombria, triste e perturbadora que o mundo já teve, é terrível passar pela rua e ver vários corpos estendidos no chão, Lord Ryan “o bruxo”, estava lutando da maneira mais suja para conseguir essa desgraça de magia, e isso significava que teria muito mais morte do que se poderia imaginar, no quinto dia de trevas houve uma festa na cidade, o presidente do país pensou que se sacrificássemos dez criancinhas de cada cidade, Deus ia ouvir a nossas preces e acabar com o nosso sofrimento, mas uma dessas crianças selecionada era a minha priminha favorita e eu não poderia deixar que nada acontecesse com ela ou com as outras crianças, foi aí que armei um plano pedi a ajuda de Lord Ryan para salvar as crianças e me comprometi a ajudá-lo na busca do cristal, digamos que ele não tinha muita opção, pois já era o seu 5° dia na terra sem nenhum resultado relevante.

Ryan salvou as crianças, mas o que ele não sabia era que eu era a protetora do tesouro e que se dependesse de mim ele jamais colocaria a mão em tal magia.

Chegou o tão esperado dia em que tudo voltaria ao normal, se é que podemos dizer que o mundo em que vivemos é normal, mas esse era o dia em que estes mortos do inferno voltariam para seus túmulos, já que até o determinado momento Ryan não tinha conseguido colocar a mão na magica. Faltava poucas horas para que do apocalipse chegasse ao fim, mas o que eu menos esperava aconteceu, o bendito cristal, que está mais para amaldiçoado como a brilhar, brilhou tanto que qualquer um que estivesse do outro lado do mundo conseguiria enxerga-lo e foi nessa hora que Lord viu onde estava o cristal, se vocês acharam que os dias anteriores foram de bastante trevas vocês deveriam ter visto este último dia, ou não, até o céu ficou vermelho nesse dia, as trevas surgiram de todos os lados em busca da maldita vida eterna. Creio que se você estivesse aqui nessa época sua maior vontade seria ter morrido no primeiro dia onde você não ia ter que ver muitos de seus entes queridos partindo sem sequer dizer adeus.

Lutamos horas e horas sem parar até que o sol resolveu se por e estes demônios foram arrastado de volta para o inferno de onde veio, não digo que a luta foi  fácil se dissesse estaria mentindo, a única coisa que posso dizer foi que quando acabou eu não sentia mais nenhum tipo de forças para ficar em pé, e foi a hora que cair, mas não morri pois estou aqui escrevendo para você e deixando-lhes um aviso : “Daqui a 1000 anos Lord Ryan está de volta, mas como você não sabe em que ano isso foi escrito por mim, ele pode estar mais perto de voltar do que você pensa. Quem sabe não seja hoje?”